Inscrições 2022

História das práticas e das culturas políticas

Docentes

  • Andrea Casa Nova Maia
  • Flávio Gomes
  • Hanna Sonkajärvi
  • Lise Sedrez
  • Marcos Bretas
  • Maria Paula
  • Marieta de Moraes
  • Marta Mega
  • Monica Grin
  • Monica Lima
  • Nuno Fragoso
  • Paulo Fontes
  • Renato Lemos
  • Silvia Correia
  • Vinícius Liebel

Setores Temáticos

H. dos conflitos, dos regimes ditatoriais e autoritarismos

O setor integra docentes que se dedicam ao estudo dos conflitos políticos e bélicos e dos regimes autoritários, privilegiando as reflexões históricas acerca de seus aspectos institucionais, políticos, econômicos, culturais e ideológicos.  Debruçando-se sobre processos históricos violentos – nas suas formas materiais e imateriais, das práticas e do cotidiano –, os integrantes visam dar conta da historicidade dos objetos de pesquisa, englobando diferentes perspectivas historiográficas.

Movimentos sociais e mundos do trabalho: experiência e representações

Este grupo temático tem como área prioritária o estudo das experiências dos/as trabalhadores/as e outros grupos subalternos em diversos períodos históricos. Os complexos processos de formação de identidades são de particular interesse dos pesquisadores do grupo, com especial atenção para a produção das diferenças de classe, raça e gênero e seu papel nas relações sociais de dominação e exploração. Além da história das organizações formais e informais e das ações coletivas, um amplo arco de questões compõem o universo de interesses do grupo temático, incluindo temas como as relações horizontais e verticais de conflito e solidariedade, os processos produtivos, as migrações, o papel dos espaços urbano e rural na conformação de identidades, os modos de vida e experiências cotidianas, as múltiplas dimensões culturais do universo das classes populares, as disputas políticas, as relações entre capital e trabalho, e ainda a atuação dos movimentos sociais na esfera pública e sua interação com as diversas dimensões do Estado. Interessam ainda as variadas maneiras pelas quais os grupos subalternos foram vistos e representados por artistas, intelectuais, autoridades públicas, empresários e outros atores sociais com os quais interagem em sua vida cotidiana.  

História e violência: memória, trauma e políticas do passado

O setor integra docentes que se dedicam ao estudo da presença e do impacto da violência produzida no mundo contemporâneo por eventos tais como o colonialismo moderno, os genocídios, as grandes guerras mundiais, as ditaduras militares e a violência de Estado em diferentes contextos e modalidades. O foco está nos estudos do trauma, da subjetividade, das histórias de vida, dos sentimentos morais, nas suas diversas formas de expressão: testemunhos, depoimentos, cartas, diários, imagens. O setor volta-se também para o estudo das políticas de memória e dos usos do passado, enfocando tanto o Estado, como as associações civis ou os indivíduos, analisando criticamente desde processos históricos de reparação e justiça transicional, como a criação de Comissões de Verdade, às formas mais amplas de (re)conhecimento material e imaterial dos passados violentos.

Patrimônio, Instituições e políticas públicas

Este setor temático estuda a construção histórica de patrimônios e o que estes implicam para a formação de identidades coletivas e para o debate político e social sobre os bens culturais. O conceito é entendido de forma ampla, incluindo patrimônio material ou imaterial/intangível, espaços construídos ou socioambientais. Em torno ao conceito de patrimônio e suas diferentes temporalidades, o setor temático também inclui pesquisas sobre instituições de memória como museus e monumentos, políticas públicas locais, regionais ou globais relacionadas à preservação, disputas sobre o que deve ser lembrado e o que deve ser esquecido, e o papel do Estado, de diferentes instituições,  e dos múltiplos atores da sociedade civil na definição do que é patrimônio.

História da cultura, da cultura científica e historiografia

Docentes

  • Andrea Casa Nova Maia
  • Andrea Daher
  • Carlos Ziller
  • Claudio Pinheiro
  • Felipe Charbel
  • Fernando Castro
  • Gabriel Castanho
  • Henrique Gusmão
  • Jaqueline Hermann
  • Joao Ohara
  • José Padua
  • JV Araújo
  • Luiza Laranjeira
  • Maria Paula
  • Marieta de Moraes
  • Marta Mega
  • Monica Grin
  • Murilo Bom Meihy
  • Silvia Correia
  • Vinícius Liebel
  • William Martins

Setores Temáticos

Relações étnicas, raciais e de gênero

O setor abrange estudos voltados para a história da elaboração cultural da produção, reprodução e reinvenção de identidades e diferenças em diversos tempos e contextos sociais, com especial atenção à problemática das relações étnicas, raciais e de gênero. Engloba análises da formação dos discursos em lugares de poder como os da ciência e da religião. Emprega abordagens que evidenciem os processos históricos de produção dos conhecimentos de senso comum sobre etnicidade, raça, gênero, com enfoques que revelam a existência de lutas de representação em torno da construção das diferenças sociais e das relações entre política e saberes no investimento sobre o corpo (sujeito e objeto). Assim, esse setor temático congrega pesquisas voltadas para o estudo das formas históricas de subjetivação em seus temas e efeitos, em suas contradições, reconfigurações e contraefetuações. 

História intelectual, das ideias e da ciência

Este setor temático reúne pesquisas dedicadas às diversas modalidades históricas de produção e reprodução das ideias e à cultura intelectual. Em diálogo com a história cultural, a crítica literária e a filosofia, esses estudos dedicam-se às dinâmicas sociais em que se dão as condições para o desenvolvimento de modelos de conhecimento, em diversos tempos e espaços. Em particular, obras científicas, intelectuais e artísticas podem ser pensadas através de diferentes perspectivas, de modo a dar conta da historicidade dos saberes, dos conceitos e das categorias que lhes conferem sentido em seu tempo.

Historiografia, conhecimento histórico e ensino de História

Esse setor temático abrange estudos dedicados à crítica da produção do pensamento e do conhecimento histórico, nas dimensões teórica e prática das operações de investigação, leitura e escrita, bem como às práticas de ensino e rotinas pedagógicas da disciplina. A teoria, a filosofia e a escrita da história se configuram como problemáticas atentas aos meios diversos e plurais da produção, circulação e usos do conhecimento histórico em suas variadas formas e dimensões, com especial atenção ao diálogo transdisciplinar com a arqueologia, as ciências sociais em geral, a educação, a filosofia e as artes.

Distintas trajetórias do debate historiográfico implicaram em diferentes agendas de investigação, da institucionalização e do ensino da História. Essa dimensão se reflete em como a História foi afetada por práticas de poder cristalizadas em torno de culturas institucionais, tradições nacionais ou imperiais desse campo disciplinar.

H. das práticas de representação e das formas literárias e artísticas

Os estudos contemplados neste setor temático abordam determinados tópicos de discussão sobre cultura escrita, oralidade, retórica e outros, no âmbito das mais diversas práticas culturais anteriores ao paradigma literário do final da época moderna. Do mesmo modo, o regime de discursos contemporâneo permite pensar a historicidade dos textos literários e a literalidade do discurso histórico; as dimensões ética e epistemológica da literatura e das artes, plásticas e cênicas; as formas históricas do romance; e os momentos de emergência e de transformação dessas formas narrativas, tal como conhecidas hoje. 

História das relações de poder, das instituições e das territorialidades

Docentes

  • Antonio Jucá
  • Bia Catão
  • Carlos Ziller
  • Claudio Pinheiro
  • Diogo Cabral
  • Flávio Gomes
  • Gabriel Castanho
  • Hanna Sonkajärvi
  • Isabelle Mello
  • Jaqueline Hermann
  • João Fragoso
  • José Padua
  • JV Araújo
  • Lise Sedrez
  • Monica Lima
  • Murilo Bom Meihy
  • Nuno Fragoso
  • Renato Lemos
  • Roberto Guedes
  • Vitor Izecksohn
  • William Martins

Setores Temáticos

Escravidão, formas de dependência e coerção

A escravidão é um fenômeno histórico e instituição política identificada à uma gama de práticas de poder relacionadas a formas de dependência, do trabalho e de hierarquias sociais, praticadas globalmente. Este setor temático estuda e orienta investigações que entendem a escravidão como um conceito de significados variados – simultaneamente jurídico, econômico, político, religioso e intelectual e sociocultural. Sua prática está relacionada a uma ampla semântica da dominação das formas de dependência, de trabalho compulsório, coerção, que provocaram o reposicionamento de instâncias da mobilidade física e simbólica, redefinindo categorias e lugares sociais em diferentes temporalidades e diferente espaços geográficos.

Economias políticas e relações sociais de produção

A economia política como disciplina acadêmica teve particular desenvolvimento nos séculos XVIII e XIX com a fisiocracia francesa e a economia clássica inglesa (Adam Smith, David Ricardo, entre outros). Porém, seus antecedentes podem ser encontrados em textos de Aristóteles e de São Tomás de Aquino, e neles a economia era vista como parte da filosofia. O setor de economia política e relações de produção do PPGHIS, entre suas preocupações, procura recuperar essa tradição ao entender a íntima interseção da história econômica com a antropologia, política, sociologia e demais segmentos das Ciências Humanas. Parte-se do pressuposto de que a economia, em especial o processo produtivo, deve ser compreendida a partir de sociedades historicamente definidas, nas quais se expressa como base material. Dessa forma, os agentes das relações sociais de produção são vistos também como sujeitos imersos em relações de parentesco, políticas, dotados de visões de mundo, e, enfim, de sonhos e perspectivas. Isso implica também atentar para as interações entre a economia e outros setores da sociedade, a exemplo do Estado. Ao lado de tais pressupostos teóricos, as investigações do setor também estão preocupadas com a produção de métodos, técnicas e, especialmente, com a problematização de fontes primárias que tornam factíveis seus pressupostos.  Por fim, o setor almeja contribuir com a reflexão e a teorização de sistemas econômicos.

Religiosidades, poderes e sensibilidades

Os temas de pesquisa do setor dão ênfase aos poderes (a Igreja, os reinos, etc.) e aos diversos agentes e grupos, que compõem as sociedades analisadas. A maioria dos pesquisadores dedica-se à história do mundo ibero-americano, que compreende as sociedades coloniais e sua diversidade étnica e cultural advinda da interação com indígenas e afrodescendentes. Os estudos concentram-se em campos que cruzam História Religiosa em múltiplas dimensões, dentre as quais abarcam aspectos da História Social e Política da Religião, História das práticas e crenças religiosas, assim como da História Social da Igreja, sempre que possível em diálogo com as demais Ciências Sociais como a Sociologia, a Ciência Política e a Antropologia. De forma mais específica, as pesquisas voltam-se para as relações estabelecidas entre instituições religiosas e os poderes locais (irmandades leigas, ordens e missões religiosas, rituais e festas), reconhecendo as descontinuidades impostas à noção de religião na Época Moderna, e os desafios trazidos pelas Reforma Protestante e Católica, tanto no campo institucional como na vivência das religiosidades, das crenças, práticas e dos agentes históricos envolvidos.

História, natureza e territórios

Este setor temático reúne pesquisas voltadas às relações da história com, de um lado, a natureza, entendida como o conjunto dos objetos, elementos e processos não criados ou não totalmente controlados pelos humanos, e de outro, com a territorialidade, entendida como a espacialização da sociabilidade humana. Nossa visão parte de uma leitura menos dualista da natureza e da história humana, observando essas realidades nos seus entrelaçamentos dinâmicos e inseparáveis. Entrelaçamentos que, além disso, quase sempre acontecem em contextos territoriais específicos.  Assim, não vemos os territórios como espaços vazios, no modelo dos mapas políticos, mas sim como espaços cheios e ativos, incluindo todos os seres, elementos e processos físicos e biofísicos que neles estejam presentes. Os movimentos humanos sempre se entrelaçam com os movimentos da natureza, seja em seus aspectos ecológicos, sociais, econômicos e/ou culturais. Focalizadas nas mais variadas escalas temporais e espaciais – desde um bairro urbano até o Estado-Nação e mesmo o planeta inteiro, e desde a vida cotidiana até vastas eras geológicas – pesquisamos essas relações tanto por meio de fontes e metodologias tradicionais do fazer historiográfico quanto por meio de trabalhos de campo e do diálogo com outras disciplinas.